Tempos Líquidos Pós-Pandemia



Você já ouviu falar em “Modernidade Líquida”? É um termo descrito pelo sociólogo polonês Zygmunt Bauman, um dos intelectuais mais influentes do início deste século.


Numa sociedade líquida, os indivíduos, as relações entre eles e as instituições não têm mais uma forma rígida, duradoura como antigamente. Tudo está rapidamente em constante transformação - o capitalismo, as cidades, a ideia de liberdade, o medo, a segurança, o consumo, a educação, o mundo do trabalho, a noção de individualidade, a fé, a espiritualidade - e nada é feito pra durar.


“Não podemos confiar que quando sairmos às ruas e voltarmos as coisas vão estar como elas eram antes. Certamente estarão mudadas, de uma maneira ou de outra” - disse Bauman em uma de suas palestras.


Ao fazer um paralelo com um possível cenário pós-pandemia de Covid-19, nos remete sobre o modo como iremos escolher nos relacionar com o mundo novamente. Não sabemos exatamente quanto tempo toda essa propagação da Covid-19 irá durar, mas podemos fazer do isolamento social momentos de preparação interna e de reflexão.


Para a grande maioria (senão todo mundo), será desafiante recomeçar. Como escolheremos voltar? Estando à mercê dessa modernidade líquida que dita nossos valores e necessidades? Dessa forma será difícil se ver envelhecendo tendo como referência a efemeridade dessa modernidade líquida em que os produtos são substituídos por outros mais novos e mais modernos a todo instante. Assim a tendência é focar constantemente no que pode ser mudado, reformulado, “modernizado”. A tendência é artificializar o natural para que natural seja o que foi artificializado.


Estar em conexão com a própria existência liberta e estimula a coragem para romper em direção ao que é realmente novo. É ter experiências conscientes em relação à qualidade de vida, autoestima, autonomia, conhecimento, aos cuidados pessoais voltados para a boa forma física e até mesmo aos procedimentos estéticos.


Essa nova imagem construída de si mesmx, a partir de si mesmx, se mantém intacta aos desafios e imposições deste mundo afora.


Referências

 

Bauman Z. Vida Líquida. Rio de Janeiro, Zahar, 2007. 


de Souza Amaral, S. C., Brunelli, P. B., & de Souza, S. C. Estética e envelhecimento humano em tempos líquidos: múltiplos olhares. Envelhecimento humano, 276-293, 2020.


#modernidadeliquida #mundopospandemia #isolamentosocialconsciente #sejavocemesmx #zygmuntbauman

Criação de Aline Bitencourt